terça-feira, 17 de maio de 2011

A Repetição

Um dos recursos mais utilizados em um discurso, seja de que tipo for, é a repetição. Existem diversos tipos de repetição. Abordaremos primeiro o caso de uma repetição de uma expressão, no todo ou em parte, sem nos preocuparmos com qualquer denominação técnica da mesma, procurando observar o seu respectivo efeito.

Vejamos uma expressão simples e comum como “Eu te amo”. Observe as seguintes formas de se dizer esta mesma expressão.

1) Eu te amo.

2) Eu te amo, eu te amo, eu te amo!

3) Eu te amo, eu te amo, eu te amo, eu te amo ...

A primeira expressão consiste na afirmação “eu te amo”, pura e simples, como um fato. Na na segunda vez, a expressão “eu te amo” ganha uma maior ênfase. É como se quem a dissesse amasse mais, tanto que necessitasse não apenas de afirmar, mas de re-afirmar que ama.

Já terceira vez, como a expressão “eu te amo” é repetida quatro vezes, pode-se dizer que a ênfase é maior ainda. A isso se deve acrescentar que, além de repetir a expressão quatro vezes, o terceiro exemplo finaliza, não com um ponto final, mas com reticências. Isso significa que, ao invés de a repetição ser de apenas quatro vezes, é de ainda mais. Sugerindo, inclusive, uma repetição infinita ou de número indeterminado.

Ocorre que, uma vez que uma expressão ou palavra é afirmada, re-afirmada e enfatizada, a continuidade de sua repetição deixa de exercer o mesmo efeito, pois que, neste caso, não haverá mais necessidade de se afirmar, re-afirmar e enfatizar.

Portanto, o primeiro objetivo de uma repetição é enfatizar aquilo que e repete. No entanto, uma vez realizado este efeito (que não é o único) da repetição, a forma da repetição tende a diminuir, não mais enfatizando.

Imagine agora o seguinte texto. Uma página inteira onde se lê apenas, de forma repetida, a expressão, “Eu te amo”.

Neste caso, a expressão “Eu te amo” ganharia um efeito tanto maior quanto menor. Isso porque, de um lado há uma ênfase, em função de a palavra estar repitada inúmeras vezes. No entanto, devido à repetição demasiada, ocorre que, neste caso, a expressão “eu te amo” acaba por perder a força e a não ser enfatizada, com um “eu te amo” se perdendo em outro, como uma pessoa em uma multidão.

Vejamos agora alguns poemas com o uso da repetição e da expressão “eu te amo”, com algumas das palavras que compõem esta mesma expressão.




Eu

Eu?! Eu?!
Eu te amo.


Amo eu

Eu te amo, eu
te amo eu te
amo eu te
amo eu.

No primeiro caso, a repetição é da palavra eu. O poema indaga “Eu?!’ e, depois, novamente, “Eu?!”, enfatuzando a indagação. Note que há uma indagação e uma exclamação, como se o personagem do poema estivesse surpreedido o admirado com a pergunta. Neste caso, a repetição enfatiza a exclamação.

Ainda no caso do primeiro exemplo, comentado acima, observe como se se tivesse dito “Eu”, sem repetição e sem exclamação e interrogação, o verso perderia sua força, diexando de ser figurativo.

O “eu te amo” com que termina esse primeiro poema é a resposta à indagação “Eu?!” do primeiro verso. A isto, deve-se acrescentar que o poema é intitulado “Eu”. Isso quer dizer que o personagem do poema se define como alguém que ama aquele para quem se dirige (o seu amor e o seu leitor, ambos, simultaneamente).

O segundo poema, intitulado “Amo eu”, faz uso da expressão “eu te amo” de forma repetida e distribuída de forma diferente nos versos, de modo a criar outras espressões que não “eu te amo’, finalizando com a afirmação “amo eu”.
Como se da repetição do “eu te amo’ surgisse a expressão “amo eu”, como uma “verdade profunda” por detrás daquela.

No caso acima, o título “Amo eu” responde à questão do conteúdo mesmo do poema como um todo.
Da análise dos exemplos de poemas apresentados com o uso da expressão “eu te amo”, pode-se concluir que a repetição de uma palavra ou expressão pode alterar o sentido da mesma.

Deve-se observar que a repetição pode vir acompanhada de outros recursos, tais como a pontuação, como no exemplo um, ou a alteração da ordem dos termos da expressão, como no exemplo dois.

Os poemas apresentados acima fora apenas exercícios, com o objetivo de experimentar o recurso da repetição. O mesmo deve ser realizado no exercício abaixo.



Exercício

Escolha uma palavra ou expressão qualquer. Faça um ou mais poemas com esta palavra ou expressão, lançando mão do recurso da repetição. Veja como a repetição desta palavra ou expressão altera o sentido das mesmas.

Não deixe de ler o que você escreve, procurando entender e controlar o sentido, de modo a fazer com que o poema diga aquilo que você quer dizer.

Se quiser, coloque um título no poema que seja uma definição ou chave para a compreensão do mesmo.

3 comentários:

  1. Amei...ajudou-me a entender como posso repetir a palavra, ou frase, dentro do meu poema...ficarei sempre atenta ás suas dicas!!! Obrigada e um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. nao entendi
    nao achei o que precisava
    mas otimo site
    abraço

    ResponderExcluir
  3. nao entendi
    nao achei o que precisava
    mas otimo site
    abraço

    ResponderExcluir